[Parte 2] Economia está mal mas vai piorar


Falta de emprego atinge recorde

O número de desempregados que passou à reforma por não ter emprego cresceu mais de dez vezes desde 2009.

O desemprego em Portugal atingiu no primeiro trimestre um nível histórico. De acordo com as séries do Instituto Nacional de Estatística que começam em 1983, nunca tinha havido uma taxa de dois dígitos antes do quarto trimestre do ano passado quando chegou a 10,1%. E nos primeiros três meses deste ano voltou a subir para 10,6%.

Um número recorde, principalmente quando se transforma em número de pessoas sem emprego: 592,2 mil. E o cenário é ainda mais preocupante quando se analisam com detalhe os dados.

O primeiro sinal de alerta é o facto dos inactivos disponíveis (pessoas que estão disponíveis para trabalhar mas não procuraram emprego nas três semanas antes do inquérito do INE) e os inactivos desencorajados (pessoas disponíveis para trabalhar mas que desistiriam de procurar) somarem mais de 100 mil pessoas. Estes elevam a taxa de desemprego real para 13,6%.

Este nível de desemprego histórico pode não ficar por aqui, já que o crescimento previsto para este ano é fraco (0,4% segundo o Banco de Portugal) e com o aperto de cinto imposto pelo Governo a economia pode mesmo voltar a entrar em recessão.

Outro sinal de aviso é o desemprego de longa duração, ou seja, as pessoas que estão sem emprego há mais de 12 meses, que subiu para 5,4% no primeiro trimestre do ano. São já cerca de metade do total de desempregados e uma grande fatia não tem trabalho há mais de dois anos.

Para muitos trabalhadores mais velhos que perderam o emprego a saída muitas vezes é a reforma. Na realidade, como o Expresso referia na última edição citando números do economista Pedro Portugal, 40% dos desempregados não voltam a trabalhar. E neste aspecto, os mais velhos, com menos formação e ligados a actividades com maior destruição de emprego, são quem mais sofre.

Entre Janeiro de 2009 e Março deste ano, de acordo com a última informação disponível da Segurança Social, o número dos que passaram à reforma por motivo de desemprego aumentou mais de dez vezes. No início do ano passado eram 754, agora são 8530.

Uma das consequências imediatas do desemprego é a incapacidade de pagar créditos, o que explica grande parte do crédito malparado dos bancos que voltou a subir em Abril.

O lado negro da crise

  • 10,6%
    foi a taxa de desemprego no primeiro trimestre de 2010
  • 13,6%
    é a taxa real de desemprego se se contarem os inactivos que não procuraram emprego mas que estão desempregados
  • 359
    mil pessoas é o número de desempregados actualmente a receber subsídio de desemprego num total de 592 mil, segundo o INE, ou de 570 mil inscritos nos centros de emprego de acordo com o Instituto de Emprego

Dez sinais de alerta

  • Desemprego de longa duração (mais de 12 meses) já é mais de metade do total;
  • 66 mil pessoas queriam trabalhar mais horas e não conseguem;
  • Mais de 100 mil desempregados considerados inactivos (disponíveis e desencorajados) que não procuraram emprego;
  • Algarve (13,6%) e Alentejo (11,1%) têm as maiores taxas;
  • Só 40% dos desempregados vivem do subsídio;
  • 1/3 dos desempregados não recorre aos centros de emprego;
  • 134,7 mil pessoas trabalham por menos de €310/mês;
  • Contratos sem termo foram os únicos a descer em 2010;
  • 305,5 mil têm dois empregos;
  • Reformados por motivo de desemprego disparam 10 vezes
  • Os próximos buracos que aí vêm

    São três os buracos nas contas públicas que cativam o futuro: as empresas municipais, as empresas públicas e as PPP.

    São três os “buracos” na economia portuguesa que ameaçam aumentar a dívida pública a partir de 2014, sustentam dois ex-ministros das Finanças: as Parcerias Público-Privadas (PPP), as empresas públicas e as empresas municipais. Neste momento, a dívida pública total está calculada em 98,3% do PIB, mas um estudo do BPI estima que atinja os 112,1% em 2013.

    Nas PPP, seis subconcessões rodoviárias estão contratualizadas (Douro Interior, AE Transmontana, Baixo Tejo, Baixo Alentejo, Litoral Oeste, Algarve Litoral) e duas estão a concurso (Centro e Pinhal Interior); três hospitais já têm contrato (Loures, Braga e Cascais) e seis estão no projecto (Vila Franca, Beja, Lisboa, Vila Nova de Gaia, Vila do Conde e Faro).

    Ora, refere João Salgueiro, ex-ministro das Finanças, no Governo de Pinto Balsemão, a obra “ficaria mais barata feita pelo Estado”. Contudo, o mais grave é que os custos das contratualizações, “em que o Estado assume todos os riscos”, vão aumentar a dívida pública depois de 2014, “altura em que começam a ser pagas”. João Salgueiro metaforiza: “Avançar com algumas obras é como estar à beira do desemprego e decidir comprar um Ferrari” e dá o exemplo do TGV: “Dizer que o comboio de alta velocidade não vai pesar porque é financiado em 30% pelo Banco Central Europeu é esquecer que é o Estado que vai pagar”.

    Eduardo Catroga, ex-ministro de Cavaco Silva, critica “os poderes políticos” que recorreram a esta “engenharia financeira que hipoteca o futuro com encargos vultuosos” e que “leva os bancos nacionais, num contexto de crédito limitado, a optarem por projectos sem risco” em detrimento “dos projectos empresariais, mais importantes para a competitividade da economia”.

    Catroga critica ainda as empresas municipais e regionais que mantêm “uma dívida financeira” apenas suportada com o “endividamento”. Sempre com “o Estado como garantia”, acrescenta João Salgueiro. A estas juntam-se as empresas públicas, algumas “tecnicamente falidas”, diz Eduardo Catroga. Só na área dos transportes (CP, Fertagus, metros do Porto e Lisboa) “acumulam-se prejuízos” e calcula-se que a dívida, a partir de 2013, “represente cerca de 20 mil milhões de euros”, cerca de 12% do PIB de 2008, sustenta o economista.

    0 Responses to “[Parte 2] Economia está mal mas vai piorar”



    1. Deixe um Comentário

    Deixe uma Resposta

    Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

    Logótipo da WordPress.com

    Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

    Imagem do Twitter

    Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

    Facebook photo

    Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

    Google+ photo

    Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

    Connecting to %s




    Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

    Junte-se a 168 outros seguidores

    Calendário de posts

    Agosto 2010
    M T W T F S S
    « Jun   Set »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    3031  

    RSS Aquela cena Chata

    • Ocorreu um erro; é provável que o feed esteja indisponível. Tente novamente mais tarde.

    Visualizações ao blog

    • 54,257 visitas

    %d bloggers like this: